Aprenda mais sobre a arte de contar histórias

08-10-2014
Contadora de histórias

Estão enganados aqueles que pensam que contar histórias é fácil. Aqueles que acham que basta se sentar à frente da criançada e começar a narrativa. E que, assim, todas estarão atentas e interessadas no que está sendo dito.

Para ser um bom contador de histórias, deve-se, primeiro, lembrar que o público infantil é diferente e, assim, buscar o domínio de técnicas que conquistem esses ouvintes tão especiais. É isso que faz do “contar histórias” uma verdadeira arte. Muitos já nasceram com esse dom, mas, para ter sucesso, o que realmente conta é treino e aquele “jeitinho” especial para lidar com os pequenos.

Um dos truques mais importantes é bem simples: para prender a atenção do ouvinte, conquiste seu interesse antes mesmo de começar a história. Para isso, faça uma introdução que englobe aspectos relacionados ao enredo e fatos ligados ao dia a dia das crianças. Outra opção: fale sobre uma experiência sua, que esteja ligada ao tema que você vai narrar. Depois disso, vale até mesmo “passar a bola” para as crianças, questionando-as se algo parecido aconteceu com elas também.

Para fazer essa conexão com o cotidiano deles e torná-los íntimos do tema, vale também incluir umas perguntas para os pequenos ouvintes, sempre relacionando seu assunto com a vivência deles. Mas, nesse caso, lembre-se de elaborá-las de forma a obter respostas que farão com que um se interesse pelo que está sendo dito pelo outro. Questões que gerem apenas “sim” ou “não” não vão prender a atenção de ninguém. E, quem sabe, desta forma, você não consiga uma experiência que seja a mesma que será vivida pelo personagem da sua história? Bingo!

Assim, a criança já estará “ligada” em você quando começar a sua história, que, “por coincidência”, terá total relação com o tema que vocês trataram nessa introdução. E, com essa preparação, você estará se sentindo seguro e pronto para encantar seus ouvintes!

A partir daí, desfile seu enredo, procurando manter a magia do conto e sendo fiel às características dos personagens.

Um toque crucial é ser o narrador e os personagens da história ao mesmo tempo, interpretando cada um à sua maneira. Por exemplo, engrosse o tom quando fizer a voz do vilão, afine-o na mocinha e volte ao normal quando for somente o narrador.

Agora é só seguir essas dicas e boa história!

Compartilhe

Faça um comentário

Livros relacionados

Posts relacionados