Como ser um bom contador de histórias

29-09-2014
Castelo nas nuvens

Livros, sites, blogs… É cada vez mais comum mamães e papais de primeira viagem procurarem em diferentes meios algumas dicas para facilitar o dia a dia com os pequenos. E um conselho é unanimidade entre todos: contar histórias para os filhos só traz benefícios para todas as partes! Seja para ensinar lições, ajudar a dormir, passar um conhecimento específico ou simplesmente como lazer, como uma forma saudável e educativa de passar o tempo junto com as crianças.

Mas, para realmente prender a atenção dos pequenos para uma história, é fundamental um bom contador. É importante que a pessoa tenha criatividade para estimular as habilidades de escuta ativa. Quando a história é bem contada, ela pode ser repetida diversas vezes que não vai perder o encanto.

Aprenda a ser um bom contador de histórias e encante seu público:

– Utilize uma linguagem animada ao longo da história. O vocabulário usual pode chatear em vez de agradar. Prenda a atenção dos pequenos por meio das suas palavras e faça com que eles fiquem ansiosos para saber o que vai acontecer em seguida. Invente novas palavras como uma forma criativa de manter o público entretido e tentando adivinhar o desfecho.

– Mantenha contato visual com seu público. Isso demonstra confiança e o estimula a prestar atenção. Analise as crianças para perceber se sua história está sendo bem recebida e se elas realmente estão se divertindo. Desta forma, dependendo da reação que elas mostrarem, você terá a oportunidade de fazer ajustes rápidos no enredo e na forma de contá-lo.

– Deixe a timidez de lado. Faça movimentos e gestos exagerados, representando as ações dos personagens e ilustrando sua história. Isso mantém o público entretido e em contato com o enredo e com os personagens. Você não pode aparentar desânimo em momento algum. Demonstre entusiasmo com o que está contando.

– Imite as vozes dos personagens. Imprima a cada um deles uma entonação diferente, marcando suas características durante toda a história. E lembre-se de que, além da voz, a linguagem corporal e os gestos dos personagens são fundamentais para distinguir um do outro.

– Dê alguns tempos de reação para seu público. Interrompa a história com pausas dramáticas para estimular o interesse das crianças. Não corra, conte sua história sem pressa, dando o tempo necessário a cada acontecimento. Esteja sempre confiante, seguro e com sua história na ponta da língua. Isso ajudará você a “não perder o fio da meada” nem em casos de reações inesperadas das crianças.

Compartilhe

Faça um comentário

Livros relacionados

Posts relacionados