Seminário discute estratégias para internacionalização das universidades

19-09-2014

Site reúne informações, notícias e eventos sobre o tema, além de permitir acesso rápido ao PDDE interativo

 

Segue até esta sexta-feira (19), o seminário Brasil-Alemanha – Estratégias de Parcerias para Internacionalização das Universidades na sede da Fundação Capes, em Brasília. Objetivo é debater temas na área e apresentar modelos educacionais já existentes entre Brasil e Alemanha.
 
Durante a abertura, na quinta-feira (18), o presidente da Capes, Jorge Almeida Guimarães, falou sobre a importância do tema. “É preciso que as instituições de ensino superior brasileiras realizem parcerias para atingirmos o patamar da internacionalização. Um ponto de partida pode ser pela pós-graduação.”
 
“É possível identificar programas com padrão próximo ao de instituições internacionais e fazer com que os acordos se estendam para toda a universidade. Podemos ainda aproveitar as experiências de estudantes que participaram de programas de mobilidade acadêmica”, completou o presidente elencando possíveis estratégias.
 
A secretária-geral do Serviço Alemão de Intercâmbio Acadêmico (DAAD), Dorothea Rüland, elogiou a parceria com o Brasil. “Os projetos apoiados trazem benefícios para os dois lados. Porém, temos que acompanhar as mudanças. As atividades internacionais não se concentram mais apenas em indivíduos, têm expandido para as universidades e para o País.”
 
Cooperação internacional
 
A tradicional relação com a Alemanha foi levantada pelo secretário nacional de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, Álvaro Prata. “É bom começarmos essa discussão com a Alemanha, um parceiro antigo em programas como o Probral e o Unibral. Tenho certeza que as novas iniciativas de cooperação discutidas aqui serão expandidas para outros países.”
 
Finalizando a mesa de abertura, Thomas Schröder, conselheiro do BMBF (German Federal Ministry for Education and Research), disse que a questão da internacionalização é antiga. “É tão antiga quanto a ciência, afinal não dá para imaginar a ciência sem internacionalização. Porém, as novas formas de internacionalizar geram novas implicações”, enfatizou.
 
Debate
 
Iniciando os debates, representantes de universidades brasileiras, Robert Evan Verhine (UFBA) e Leandro Tessler (Unicamp), e alemãs, Sybille Reichert (Universität Erlangen-Nürnberg) e Stephan Ludwig (University of Münster), apresentaram casos de suas instituições relacionados ao tema da internacionalização.
 
A mesa foi moderada pela diretora de Relações Internacionais da Capes, Denise de Menezes Neddermeyer. “Essa é uma excelente oportunidade para apresentar novas perspectivas de parcerias que envolvem a questão da internacionalização de nossas universidades. Estamos dando um passo à frente para que as universidades brasileiras se desenvolvam nessa questão. O desafio existe e precisamos avançar.”

 

Fonte: Portal Brasil

Compartilhe

Faça um comentário

Livros relacionados

Posts relacionados